Como funciona o cheque especial?

Entenda melhor as regras e taxas do limite da conta corrente.

Guia de Bolso | 31 de março de 2017
cheque
cheque especial
Como funciona o cheque especial?
Conta corrente
empréstimo
empréstimo automático
juros
Como funciona o cheque especial?
Como funciona o cheque especial?

Quando o saldo da conta corrente acaba, o que você faz? Continua usando o cartão de débito até acabar o limite da conta corrente? Há quem não saiba disto, mas esse limite a mais que o banco oferece é justamente o cheque especial.

Sem dúvidas, trata-se de uma comodidade poder gastar mais dinheiro do que realmente se tem na conta sem nem, ao menos, precisar fazer um pedido formal de empréstimo. Mas essa facilidade do cheque especial tem um preço.

Entenda melhor:

– O cheque especial é um crédito automático

O cheque especial é uma espécie de crédito pré-aprovado de liberação automática. Não é preciso fazer a solicitação do empréstimo. Em muitos casos, inclusive, o crédito já aparece no extrato do cliente somado ao saldo da conta, dando a impressão que se tem mais dinheiro do que se imagina.

Por isso, é importante ter atenção para não confundir o saldo real da sua conta corrente com o limite oferecido pelo banco (cheque especial), para não acabar gastando mais do que possui.

– Os juros do cheque especial

Ao fazer um pedido de empréstimo, o habitual é que a instituição financeira faça uma análise de crédito do cliente decidindo a concessão (ou negação), o valor e o prazo do empréstimo.

No caso do cheque especial é diferente. Como se trata de um crédito de liberação automática e pré-aprovado (conforme análise prévia do cliente), a instituição financeira credora não tem garantias do tempo de pagamento do empréstimo.

Por isso, o cheque especial é uma das modalidades com os juros mais altos do mercado. E o pagamento é feito diretamente na conta corrente do cliente, assim que for efetuado um novo depósito.

Alguns bancos ainda liberam esse limite do cheque especial por uma dezena de dias sem a cobrança de juros. Mas mesmo assim, é bom ficar atento para pagar a dívida (colocar dinheiro na conta) antes que os juros comecem a incidir.

– Os juros vão diminuir?

Recentemente, com a redução da Taxa Selic, o governo motivou os bancos para reduzirem também os juros do crédito rotativo do cartão. E espera-se que os juros do cheque especial sigam essa tendência de queda.

Só que, mesmo que os juros diminuam, não é aconselhável ter o cheque especial como apoio constante das suas finanças. Afinal, se você gasta sempre mais do que ganha pode estar precisando organizar melhor suas contas e fazer um melhor planejamento financeiro.

O cheque especial deveria ser visto, sim, como uma alternativa para situações de emergência. Mas mesmo nesses casos, pode haver uma opção melhor. Veja só:

– Cheque especial x Reserva financeira de emergência

O cheque especial é um empréstimo automático que deveria ser usado para situações de emergência. Afinal, ninguém está livre de imprevistos.

Mas há uma alternativa mais abrangente e segura para isso: criar e manter uma reserva financeira de emergência. Isto é, reorganizar suas contas de forma a poupar uma parte do que ganha mensalmente, formando um fundo que possa ser utilizado quando tiver uma urgência.

Tendo uma reserva financeira de emergência pessoal ou familiar, você protege a quem você ama em casos imprevistos e ainda se isenta do pagamento de juros do cheque especial.

Cuide melhor das suas finanças. Conheça o maior sistema cooperativo financeiro do país, o Sicoob.

Gostou dessa dica? Cooperação começa por aqui, compartilhe esse conhecimento.


Assine nossa newsletter!


    Matérias que você também pode gostar